Procesamiento de imagen digital (PID) como medio de análisis, documentación y monitorización de la corrosión del acero de carbono aplicado en la escultura de Gonçalo Jardim

  • Ana Sofia Alvarez Faculdade de Belas Artes da Universidade de Lisboa
  • João Linhares Universidade do Minho, Centro de Física e Visão das Cores
  • Ana Bailão Faculdade de Belas Artes da Universidade de Lisboa, FBAUL/CIEBA; Centro de Investigação para a Ciência e Tecnologia das Artes (CITAR) da Universidade Católica, Centro Regional do Porto
Palabras clave: procesamiento de imagen digital, entropía, monitoreo, corrosión, escultura en acero

Resumen

El presente artículo pretende dar a conocer un método de monitorización no invasiva del proceso de corrosión de la escultura de acero de Gonçalo Jardim, a través del sistema de procesamiento de imagen digital. Esta investigación tiene como principal objetivo desarrollar un algoritmo que trate la información de varias funciones locales de la morfología de la corrosión, a través de la extracción de parámetros cuantitativos de la imagen que expresan esa información. Para este efecto se ha calculado el valor medio absoluto de la entropía de las imágenes, que evalúa la evolución de la morfología de la corrosión de la obra a largo plazo, para documentarla y analizar si se mantiene o aumenta de la corrosión con el transcurso del tiempo y, en este último caso, en qué proporción.

Descargas

La descarga de datos todavía no está disponible.

Biografía del autor/a

Ana Sofia Alvarez, Faculdade de Belas Artes da Universidade de Lisboa

Licenciatura em Artes Visuais – Multimédia, na vertente de escultura, com especialização em metais, pela Escola de Artes da Universidade de Évora, Évora, Portugal (2014). Mestrado em Ciências da Conservação, Restauro e Produção de Arte Contemporânea, pela Faculdade de Belas Artes da Universidade de Lisboa, Lisboa, Portugal (2018). A pesquisa de mestrado foi sobre a monitorização da corrosão atmosférica de ligas ferrosas, através do método de processamento de imagem digital.

João Linhares, Universidade do Minho, Centro de Física e Visão das Cores

Licenciatura em Optometria e Ciências da Visão pela Universidade do Minho, Braga, Portugal (2002). Em 2006 obteve o grau de MPhil em Optometria e Neurociência pela Faculty of Life Sciences of the University of Manchester, Manchester, Reino Unido. De volta à Universidade no Minho, continuou a sua investigação e formação, obtendo o Doutoramento em Ciências pela Escola de Ciências da Universidade do Minho em 2011. De Março de 2011 a Julho de 2012 foi Lecturer, e de Agosto de 2012 a Agosto de 2013 foi Senior Lecturer, no departamento de Vision and Hearing Sciences, na Anglia Ruskin University, Cambridge, Reino Unido. Em Julho de 2013 obteve o estatuto de Fellow da Higher Education Academy após a conclusão com sucesso da pós-graduação em Learning and Teaching (Higher Education) atribuída pela Anglia Ruskin University, Cambridge, UK. Atualmente é Professor Auxiliar no Departamento de Física da Universidade do Minho.

Ana Bailão, Faculdade de Belas Artes da Universidade de Lisboa, FBAUL/CIEBA; Centro de Investigação para a Ciência e Tecnologia das Artes (CITAR) da Universidade Católica, Centro Regional do Porto

Licenciatura em Conservação e Restauro pelo Instituto Politécnico de Tomar, Tomar, Portugal (2005) e mestrado em Pintura Conservação pela Universidade Católica Portuguesa, Porto, Portugal (2010). A pesquisa de mestrado foi sobre metodologias e técnicas de retoque. Doutoramento em Conservação de Pinturas na mesma universidade, em colaboração com o Centro de Investigação em Ciência e Tecnologia das Artes (CITAR) e com o Instituto do Património Cultura de Espanha (IPCE), em Madrid. A pesquisa de doutoramento foi sobre os critérios e metodologias que podem ajudar a melhorar a qualidade do retoque da pintura. Desde 2004 que realiza trabalhos de conservação e restauro. Desde de 2008 que tem trabalhado como docente de conservação e restauro, trabalhando atualmente na Faculdade de Belas Artes da Universidade de Lisboa, como docente do Departamento de Ciências da Arte e do Património.

Citas

ALBUQUERQUE, M. P., ALBUQUERQUE, M. P. (2001). Processamento de Imagens: Métodos e Análises. Rio de Janeiro: FACET

ALMEIDA-SANTOS, P. S., ROCHA, I., HEIN, N. (2014). “Utilização da entropia informacional na seleção de indicadores financeiros mais relevantes para a tomada de decisão no sector público: o caso dos estados brasileiros”. Perspectivas em Ciências da Informação, 19:83-105. https://doi.org/10.1590/1981-5344/1780. [Consult. 7/12/2018]

ALMEIDA, M. E. M., FERREIRA, M. G. S. (1998). Corrosão Atmosférica: Mapas de Portugal. Lisboa: INETI/IMP/LTR.

ASM International (2000). Corrosion: Understanding the Basics. Ohio: ASM International.

BARAVALLE, R.; ROSSO, O.A.; MONTANI, F. (2018). “Casual Shannon-Fisher Characterization of Motor/Imagery Movements in EEG”, Entropy, 20:660-678. https://doi.org/10.3390/e20090660. [Consult. 7/12/2018]

BENTO, M. P. et al. (2009). Image processing techniques applied for corrosion damage analysis. https://www.researchgate.net/publication/228937062_Image_processing_techniques_applied_for_corrosion_damage_analysis. [Consult. 3/12/2018]

CHOI, K. Y., KIM, S. S. (2004). “Morphological analysis and classification of types of surface corrosion damage by digital image processing”, Corrosion Science, 47:1-15. https://doi.org/10.1016/j.corsci.2004.05.007. [Consult. 3/12/2018].

DIAZ, J. et al. (2017). “Rust detection using processing via Matlab”. En Conference TENCON. Malaysia: Tencon, 1327-133. https://doi.org/ 10.1109/TENCON.2017.8228063. [Consult. 9/12/2018]

ESQUEF, I.A. et al. (2003). Processamento Digital de Imagens. Brasil: Centro Brasileiro de Pesquisas Físicas, 1-12, http://www.cbpf.br/cat/pdsi/pdf/cap3webfinal.pdf. [Consult. 9/12/2018]

GHANTA, S. et al. (2011). “Wavelet domain detection of rust in steel bridge images”. En 2011 IEEE International Conference on Acoustics, Speech and Signal Processing (ICASSP), Prague: ICASSP, 1033-1036. https://doi.org/10.1109/ICASSP.2011.5946583. [Consult. 3/12/2018]

ISO/DIS 9223 (2010). “Corrosion of metals and alloys” En Corrosivity of atmospheres – Classification, determination and estimation, Geneva: ISO/TC 156 WG4.

MATHWORKS, INC (2005). MATLAB: The language of technical Computing. Getting started with MATLAB, 7, Natick MA: MathWorks. https://www.csd.uoc.gr/~hy215/tutorials/GetStartWithMATLAB.pdf. [Consult. 9/9/2018]

MEDEIROS, R.M. et al. (2015). “Aplicação da teoria da entropia no estudo da precipitação pluvial em Teresinha-Pi”, Revista de Geografia (UFPE), 32:2:206-218. https://periodicos.ufpe.br/revistas/revistageografia/article/view/229164/23565. [Consult. 7/12/2018].

PAVÃO, R. (2011). Entropia informacional e aprendizagem de sequências. São Paulo: Tese de Doutoramento, USP/Instituto de Biociências. http://www.teses.usp.br/teses/disponiveis/41/41135/tde-21092011-135012/pt-br.php. [Consult. 9/9/2018]

SHANNON, C. E. (1948). “A Mathematical Theory of Communication”, The Bell System Technical Journal, 27:3:379-423. https://doi.org/10.1002/j.1538-7305.1948.tb01338.x. [Consult. 9/9/2018]

YIDONG, Z. et al. (2017). “A non-destructive approach using MatLab software for morphology analysis of ancient mural deterioration”, Studies in Conservation, 62:7:384-392. https://doi.org/10.1080/00393630.2016.1183864. [Consult. 7/9/2018]

Publicado
2020-06-25
Cómo citar
Alvarez, A. S., Linhares, J., & Bailão, A. (2020). Procesamiento de imagen digital (PID) como medio de análisis, documentación y monitorización de la corrosión del acero de carbono aplicado en la escultura de Gonçalo Jardim . Ge-Conservacion, 17(1), 64-70. https://doi.org/10.37558/gec.v17i1.614
Sección
Artículos